sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Swimmers


Estou a nadar numa piscina de água, frutose, acido ascórbico que na realidade não é mais que vitamina C, alguns enzimas, fosfatos, bicarbonato e zinco. Esta solução mantêm-me saudável e sou mais um no meio de uma infinitividade de outros como eu. Por aqui fala-se de tudo, sobretudo de expectativas e do mistério do mundo exterior.

Alguns de nós acreditam que somos a génese da criação, portanto divinos, outros defendem que seremos apenas instrumentos do criador pai, cujo corpo compartilhamos, há ainda grupos radicais que pensam em deuses que superam os limites da carne, seres espirituais que governam o todo, esses são os mais felizes porque aceitam que a derrota será um desígnio de algo que os ultrapassou.

O espírito competitivo está sempre presente, todos estão preparados para a corrida e a angustia que nos aflige é a incerteza de não saber que dificuldades iremos encontrar no percurso, que podem existir barreiras não naturais que nos impeçam de chegar ao objectivo, desvios de ultima hora ou apenas mera manipulação.

O que nos alenta é que, com a conjugação certa de ciclos, desejos ou enganos, um de nós, às vezes até dois ou três, poderá vencer a corrida e conquistar o prémio e ao fazê-lo conseguir crescer e deixar de ser apenas mais um nadador.
video
Monty Python-Every Sperm is Sacred (Meaning of Life)

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Curtas – Sobre as Mulheres

Continuo a achá-las extraordinárias…

video

Dixie Chicks-Travelin Soldier

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Morte ©



Alguém a imaginou vestida de negro com uma capa apodrecida em farrapos, empoeirada, descarnada e carregando uma gadanha de cabo comprido de madeira velha. A figura é simpática, apelativa, reconfortante e fica-nos no olho. Será que alguém se deu ao trabalho de a registar como marca? Estará disponível para franchising?

A imagem da Morte tão antiga, nunca foi tão moderna, se não vejamos, numa primeira análise estamos perante uma figura que sofre nitidamente de anorexia o que indicia distúrbios psicológicos. Estes são padrões de comportamento bastante comuns na juventude actual, se acrescentarmos ainda o trajar de negro e o envergar de vestimentas em farrapos, estamos praticamente a descrever o indígena médio de qualquer bar ou discoteca em noite de sexta-feira com DJ convidado.

Resta-nos o pormenor da gadanha, elemento acessório completamente desnecessário e nitidamente colocado apenas como enfeite da figura, detalhe anacrónico para um choque visual, assim como um piercing bem aplicado numa narina, na sobrancelha ou nalgum outro lugar mais exótico.

Isto não quer dizer que a Morte se tenha banalizado, ou tranformado num ícone de popularidade, continua a ser incompreendida e rejeitada por grande parte da população, acentuando-se a sua recusa com o avançar da idade. Sinal de senilidade ou sabedoria? Aqueles que o descobriram, levaram a resposta para o túmulo.

video
Blue Oyster Cult-Don´t Fear The Reaper

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Curtas – Evolução tecnológica

Agora é mais fácil atingir as metas básicas da vida, basta plantar uma arvore, ter um filho e escrever um Blog.

video
Gorillaz-Clint Eastwood

Tempus fugit

Esgoto o tempo por entre as batidas, de palma da mão aberta sobre o peito, comprovo que ainda habito este reino. Imagino a vida como um engenho e empenho-me como uma das suas pequena engrenagens oscilante entre a transmissão de angustias e esperanças.

Rodopio sobre um eixo que quero eterno, ambiciono manter-me lúcido até ao final, descrente nos deuses dos homens, componho as minhas preces a um mestre relojoeiro universal para que use da sua sabedoria e o faça parar.

Gostava de conseguir expressar com as minhas palavras a visão de Dali, mas na sua sombra sou um campo árido de ideias e neste entretanto o meu tempo continuou a passar.

video
Pink Floyd-Time

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Oscares

Sou um cromo que gosta de BD, é um vicio que adquiri de pequenino, como o outro de brincar com a pilinha e um dos meus favoritos é o Batman.

Mais do que do Batman, gosto dos personagens secundários da série, aqueles que lhe reforçam a sua ambiência negra e profunda e é pena que sejam apenas secundários, Heath Ledger, merecia de longe ter recebido o Óscar para melhor actor principal.

video
Trailler de Dark Knigt directed by Christopher Nolan

domingo, 22 de fevereiro de 2009

O segundo na trilogia dos passarinhos

Joãozinho Beija-flor era um homem bonito. Sempre o tinha sido. Desde muito pequenino que aqueles olhinhos brilhantes o narizinho arrebitado e um sorrisinho sacaninha eram as delicias das tias e das vizinhas o que o fazia andar sempre com as bochechas encarniçadas dos beliscões e que contribuía para lhe aumentar ainda mais o seu encanto.

Ainda os outro putos da sua idade se entretinham a jogar aos berlindes e às caricas, já o Joãozinho enfiava as mãozinhas pelas saias acima das moçoilas lá da rua, que se riam com as cócegas e ficavam muito admiradas quando lhes mostrava orgulhosamente a dimensão do seu orgulho e muitas foram as que acabaram vitimas das novas brincadeiras que teimava em lhes ensinar, sobre o que podiam fazer com aquilo.

Quando se fez adulto, tinha já uma reputação de fazer inveja a qualquer dos galifões do bairro e era olhado de lado quer pelas mulheres que só não o papavam se não pudessem, quer pelos homens que até o papavam se o apanhassem a prevaricar com a sua legitima. A coisa começou a ficar perigosa e o Joãozinho que era mais de amores que de rancores, decidiu que estava na hora de fazer as malas e pirou-se para a grande cidade.

Agora punha-se um problema, é que o Joãozinho, tinha dedicado tanto tempo com as mulheres que não tinha sobrado para estudos, nem para aprender oficio e faltando-lhe os confortos da casa materna, tinha que arranjar uma forma de ganhar a vida, alem de tudo era calão, gostava de se apresentar bem vestido e penteado e os empregos que lhe apareciam não eram compatíveis com aquilo que ambicionava na vida.

Não foi necessário pensar muito para descobrir como capitalizar as suas capacidades de atracção ao sexo oposto e depois de ver um filme sobre o assunto, fez-se gigolô.

(To be continued)

video
Caetano Veloso-Fina Estampa

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Curtas – Futebóis

Sobre o Derby de ontem à noite, sabem o que separa Benfica de Alvalade?



Telheiras, mas pode-se evitar se formos pela segunda circular…

video
Talking Heads - Road to nowhere

O meu 13º post ou o primeiro na trilogia dos passarinhos.

(Supersticioso eu? Ná, é mesmo falta de imaginação.)

Ora o Sebastião Pintassilgo, era um cabrão com azar. Atenção que quando me refiro a ser cabrão, não estou a querer dizer que era um gajo teso ou arrevesado, não, era cabrão mesmo, bem assessorado por uma mulher cheiinha de carnes e danada para a brincadeira com homens alheios.


Por se saber azarado, era um homem cuidadoso, fugia a sete pés dos gatos, borrava-se todo se fossem pretos e nunca se sentava em transportes públicos no lugar 13 nem passava debaixo de escadas, fechava o chapéu de chuva antes de entrar em casa, nada de agarrar em espelhos, não fosse a coisa escorregar-lhe da mão e tinha a estranha crença de que se sacudisse o utensílio cinco vezes, cada vez que mijava, nunca lhe iria faltar a tesão.


Um dia o cabrão do Pintassilgo, descobriu que o era. Como em todas as histórias deste género, chegou a casa mais cedo do que o habitual sem ter o cuidado de avisar, para que é que te serve a merda do telemóvel se não o usas quando faz falta e ouviu gemidos e risinhos galhofeiros vindos do quarto. Como já andava desconfiado e tinha alguma cagufa, aproximou-se sorrateiro da porta e espreitou agachado para dentro do quarto. Lá dentro, na cama estava a sua mulher, tipo morcela luzidia em cima de um tipo magríssimo de barba pintelhuda que ele reconheceu imediatamente como o filho-da-puta da mulher do dono do quiosque da esquina, onde todas as sextas feiras punha o euromilhões. O povo sabe que para fazer uma boa morcela, há que encher a tripa logo no dia da matança e têm que ser o primeiro enchido a ir para o fumeiro e foi isso da matança de lhe abrir a tripa e de a pôr ao fumeiro que lhe passou ali pela cabeça, mas lembrou-se que não era propriamente um homem de sorte e achou melhor ir embora devagarinho e pensar melhor no assunto.

(To be continued)


video
Stevie Wonder and Stevie Ray Vaughan-Superstition

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Geração Nespresso

Esta é a geração etariamente transversal, encapsulada, multicolorida, preservada, plástica, hermética, de fácil limpeza e para todos os gostos.

Esta é a geração da informação suportada em virtualidades de vidas cruzadas em teclados normalizados e mensagens curtas.

Esta é a geração da indisciplina do crédito e do descrédito.

Esta é a geração que descobriu, redescobriu ou perdeu a vergonha de assumir, que gosta dos ABBA.


video
ABBA - Mamma Mia

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Thick as a Prick

Já percebi que nesta coisa da blogosfera, o que está a dar é falar de sexo.


Bom, não chega falar de sexo é preciso ser mesmo explicito, assim utilizando expressões bem lambuzadas, palavras peganhentas, oralidades salivantes, referências a membros túrgidos, saltitantes e alguns outros orifícios palpitantes.


Serei popular se narrar as peripécias da caralhada que saiu para beber um copo e fodeu a conada toda que lhe saiu ao caminho. Mais compreendido se pelo meio detalhar umas brochadas gratuitas pagas com jam sessions de minuetes em ocarinas de clítoris saliente.


Se me alargar em ambientes mais selectos que envolvam utensílios de culinária e cremes espessos, enquadrados por indumentárias de couro negro, vermelho e dourado e alguma bicharada para desenjoar tenho casa cheia garantida.


Aqui há uns anitos quando fiz tropa, tinha um camarada de infortúnio, que usava em tudo o que dizia, como ponto de exclamação, a expressão “Xiiii Caralho Foda-se”, que grande blogger seria hoje, que saudades ò Pires…


Porra eu sou um moço do campo que ainda acredita que o cérebro é o órgão sexual mais potente mas com tanta fartura que se encontra na Sexosfera ainda me arrisco a ter um derrame ejaculatório.

video
Ian Anderson and Lucia Micarelli-Thick As A Brick

P.S. Os atentos já repararam que gosto muito de usar o verbo ejacular, que de acordo com o dicionário significa expelir esperma, prometo que não irei mudar de ideias.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Ontem

Hoje é dia 15 de Fevereiro e não é dia de nada.


Neste dia podia-se festejar o nascimento de Galileo Galilei, certamente mais racional que festejar o dia de ontem em que se celebrou a decapitação de um homem vulgar que por ser teimoso chegou a santo.
Odeio o dia de ontem, verdade constante no que me diz respeito, mas reforçada por ontem, alem de tudo o resto ter sido mesmo ontem.
Neste mundo de gente só a razão que inventaram para justificar o dia de ontem é tão imoral como celebrar o dia do desperdício como o feriado continental de África, de Angola à contra costa.
Ontem vi numa grande superfície comercial, promover a venda de maçãs, sobre o pretexto de as embrulhar no significado de ser ontem e as pessoas paravam e consumiam a ideia e apeteceu-me evocar o meu direito de partilha de nome e expulsar a pontapé os vendilhões do templo do consumismo.
Ontem assisti à celebração da hipocrisia, da ejaculação do dever cumprido, da aceitação da mentira e da expiação de mais um ano de esterilidades sentimentais.
Felizmente que hoje já não é dia de nada e vamos regressar heróis aos nossos casulos como larvas, sabendo que daqui a um ano podemos voltar a emergir como bichos de outra cor.


Assim terminou Kubrick o seu “Estranho Amor” e nada me parece mais apropriado…


video
Vera Lynn -We'll Meet Again (Dr. Strangelove final scene by Stanley Kubrick)

sábado, 14 de fevereiro de 2009

A Arte Sequencial

Will Eisner tornou séria a arte de contar uma história através de imagens. Nenhum autor de ”banda desenhada” como é conhecida na Europa ou “Comics” se estivermos nos Estados Unidos, é mais respeitado que ele , tanto que até os prémios que consagram anualmente os melhores autores e obras, têm o seu nome. Os Eisner foram criados em 1988 e são atribuídos às várias categorias que caracterizam esta arte.
Inventou o conceito da novela gráfica e tornou-a num objecto de estudo académico através da sua obra “Comics and Sequential Art”.

Will Eisner morreu em 2004 e era um Judeu convicto, as suas duas ultimas obras, uma delas já publicada depois da sua morte, procuram demonstrar a existência de preconceitos anti-semitas, sendo que em “Fagin o Judeu” recupera o personagem de “Oliver Twist” de Dickens evidenciando as suas motivações e o seu lado humano contrariando a imagem retratada por Dickens e em “A Conspiração, a História Secreta dos Protocolos dos Sábios de Sião” é explicada e demonstrada uma das fraudes mais negras da história da humanidade e que serviu de base doutrinal a Hitler para justificar o holocausto dos Judeus durante a segunda Guerra Mundial.

A sua obra mais conhecida é “The Spirit” e foi com ela que cresci na minha paixão a esta arte. Histórias curtas de 7 ou 8 páginas onde o autor rompe com todas as fronteiras gráficas e onde acima de tudo se retratam personagens vulgares, pessoas, objectos e lugares perturbadoramente comuns. Estas pequenas histórias desenvolvem-se num ritmo próprio, sem que nos aperceba-mos do seu desenlace até que somos surpreendidos pela sua moral, muitas vezes tão simples e amarga.
Se Eisner procurou retratar o homem comum, não nos conseguiu esconder o seu fascínio pelas mulheres e desenhou-as belas, fatais, doces, atraentes, ingénuas e perigosas. Confesso a facilidade com que me apaixonaria por Sand Saref, P’Gel ou Silk Satin.

Este ano The Spirit chega ao cinema e pela mão de outro mestre na arte sequencial, Frank Miller mas sei que esta minha ansiedade de ver o filme se vai transformar na decepção de constatar a impossibilidade de reescrever na tela a magia de uma obra-prima.


video
The Spirit Trailler by Frank Miller

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

O dominó idiótico

Apesar de tudo ainda ambiciono a criação.

Quero acreditar que a partir de uma simples ideia é possível desenvolver, através da inclusão de palavras, coerências na forma de frases, que agrupadas, ordenadas e somadas, se convertem em parágrafos, rascunhos ou precisões de um plano mental que se originou apenas porque alguns neurónios num acto casual se puseram de acordo.

O meu fluxo criativo é linear, sem complexidades estruturais. As minhas ideias são alinhadas, uma após outra, como pedrinhas de um dominó que se tropeçam quando florescem. A minha formação é tecnocrática, mais matemática que semântica e a imaginação que gero é fruto do esforço, tentativa e erro de contrariar a naturalidade da lógica que rege a minha presença no mundo real.

Por incompetência noutras expressões, atrevo-me na utilização da língua e que me perdoem os que o fazem dignamente ou de forma bela, não pretendo ser uma afronta à sua arte. Gosto das palavras e do que se pode construir com elas, uso-as pela sua forma e sequencio-as pelos padrões que se originam no seu conjunto. Ignoro muitas vezes as suas regras de utilização, consciente que com a minha ambição arrisco-me sobretudo à consequência da falha.


video
Caetano Veloso - Língua