quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Quadrilogia de Espécie (Amor, Namoro, Paixão e Tango).

Um problema complexo pode ser resolvido por decomposição de partes, assim se analisarmos a evolução do ser animal ou por amostragem minimal , a raça humana e simplificarmos a equação aos factores de significado, chegamos a quatro estágios de comportamento que marcam o relacionamento, num instante determinado, entre dois ou mais indivíduos, que podem ou não pertencer ao mesmo sexo.


O Amor à semelhança de Deus, procura explicar o tudo, o nada e os porquês. É um engodo para a continuidade ou o que se tenta que sobre do erro, saliva de poeta, condimento indistinto e aquela cor que não se consegue definir como verde ou azulada.

Apontado por muitos como a suprema fraude, subsiste por preconceitos e necessidade de objectivo ou fuga à teoria do caos. Provar a inexistência do Amor seria fácil para os matemáticos, projectável para os arquitectos e contranatura para os artistas, no entanto tal feito, é e sempre será um acto tabu, alvo de inquisição e tortura.

Dizem-nos que sem Amor, somos incompletos, conchas vazias, seres pobres de significado, salões de baile abandonados aos restos da festa. Somos empurrados a buscar o Amor como estado ejaculatório permanente ou partilha de sensações de excelência. Assim consegue a natureza ou os obscuros illuminati manter controlada a espécie.

video
Mika-Love Today

O estado de namoro, pode ocorrer em qualquer altura do relacionamento. Caracterizado por actos de cedência e compreensão, pode ser confundido por leigos com qualquer dos outros estágios. Instintos e deficiências genéticas primitivas impedem este estado de se prolongar de forma natural.

Pode ser suave como o cabelo que nos roça na face ou doce como os lábios dum primeiro beijo, belo como a flor perfeita ou quente como um corpo que nos toca. Estado sensorial por natureza pode provocar tonturas, carinho, despesa e simples felicidade apenas pela existência do outro.

Num sistema ideal, que procurasse o equilíbrio da autosustentação da espécie, este estado manter-se-ia como permanente. Tal situação será sempre condenável, pelo grupo social, como um acto imaturo, imoral e flagrante atentado aos bons costumes.

video
Fausto-Namoro

A Paixão pode ser um momento ou valer uma vida. Verdadeiro motor do desenvolvimento é a razão pela qual tudo vale a pena. É a dependência que se devora, a luz que nos cega e a fome que se sustenta.

A Paixão é o sentimento real, o estado mais natural do ser, classificada como acto de loucura pelo medo, castrada pela incompreensão e censurada pela sociedade como a renegação à sagrada família. Se aplicada à interacção física na relação da espécie, pode transfigurar-se sobre a forma de sexo não reprodutivo e condenável à figura divina ou àqueles que a representam de forma legitima ou por pretensão.

Na realidade sem a Paixão nada seria, apenas a nulidade e o vazio restariam no arrastar do caminho até à morte, sem invento nem graça cor ou sabor. Aquele que vive a Paixão da Paixão, alimenta-se por motivação pessoal e será necessariamente perseguido como um elemento perigoso e maligno.

video
Rita Lee-Amor e Sexo

O Tango é um acto subversivo criado algures num dia de Dezembro, num lugar escurecido por luz vermelha, num bar em Buenos Aires onde um par de corpos se celebrou por entre odores de suor partilhado e ritmo de dança.

O Ele que desafia altivo, a Ela que desafia sedutora, num código próprio de movimentos que desafiam a lei do correcto e da moral. Vestido rubro e fato cintado, separados apenas por uma rosa escarlate como a Paixão, num rodopio como um Namoro e numa troca de olhares tradutora do verdadeiro Amor.

A espécie aceita a existência do Tango, como prova que poderemos ser livres de expressarmos a Paixão, acreditar no Namoro eterno ou até ambicionar o Amor, mas esta irrealidade dura o tempo de uma musica, de um cansaço, de uma raiva ou simples angustia.


video
Rodrigo Leão and Lula Pena-Pasión

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Cinzenta de Lama

Um crime. Universal e necessariamente condenável pela humanidade e qualquer bicho sem apelo, atenuante ou desculpa. Estou a falar, claro está, dos grandes clássicos da Disney, aqueles que os ingénuos adultos obrigam as crias a ver, antigamente nos grandes salões, hoje convertidos em templos de deuses menores mas abastados e mais modernamente em espaços maneirinhos adequados ao degustar da pipoca estaladiça.

Pois se duvidas existem, vamos lá olhar para um exemplo ao acaso, ou melhor vamos olhar para o clássico dos clássicos, o infame “Branca de Neve e os sete anões”, titulo que nem sequer é prejudicado por uma tradução disparatada, pois este é o caso em que letrinha a letrinha se conservou o significado original da coisa.

Então no principio, temos o tipo das massas e poder que já velhote casa em segundas núpcias com uma gaja, que até, temos que confessar dá alguma tesão assim de olho verde e alta com gosto no vestir de negro e perguntamos como é que um avião destes se atraca ao chaço do idoso, ora pelo dinheirinho e pelas jóias e pela criadagem, o estupor até têm um castelo, assim também eu… Mensagem nas entrelinhas para as criancinhas, arranjem dinheiro que acabam por ficar com as gajas boas.

Uma puta, dirão as invejosas, interesseira e vaidosa, tanto que têm um espelho mágico, que lhe gaba as mamocas, mas que num dia amanhece cabrão e decide tramar a filha do velho. Pois há uma filha da primeira legitima, a tal Branca de Neve, leitosa assim tipo certinha que até dá nojo. Ora o dito espelho, a quem todo o santo dia a boa interrogava sobre as suas rugas, vai e diz-lhe que a miúda tava a ficar mais apetitosa que ela e ela não vai de modas, que não era de levar desaforo para o torreão, chama o criado, que se topa logo, que a andava a papar quando o velho ia dar uns tiros aos coelhos e ordena-lhe que leve a pequena a apanhar cogumelos e lhe corte o gasganete.

Ora o dito lá levou a Branquinha a passear para a floresta e já lá bem no fundo, onde só há sombras, caruma e a bicharada rasteira nem se esconde, quando se preparava para dar o golpe, assim no ultimo instante amaricou-se e largou a fugir. Pura imagem de incompetência que querem dar do povo, incapaz de cumprir a mais simples da ordens e pior que sem brio chacina um pobre animal que por ali passava para lhe arrancar o coração e satisfazer o desejo libidinoso da megera, que lhe tinha exigido saborear uns pipis em vinha de alho.

Assim a pobre, necessariamente retardada, fica abandonada, num pranto e tonta em vez de pegar no telemóvel e pedir ajuda, desata a deambular por ali até dar com um barraco a cair de podre, estereotipo que pobre só sabe viver no chiqueiro. E boa educação? Seria de imaginar que menina tão certinha a tivesse, pois mas enganam-se porque sem sequer hesitar adentra e abanca de tal forma que acaba por adormecer.

A barraca têm dono, nomeadamente é a sede social de uma pequena empresa que declara como actividade a criação de galinhas por métodos biológicos, mas que na realidade é fachada para uma operação de exploração ilícita de uma mina onde se cultivam cogumelos alucinógenos de formato cristalino e que provocam efeitos físicos secundários tão terríveis que os pobres dos trabalhadores que são sete, acabaram atarracados.

Quando os sete chegam a casa e encontram a Branca, que ressona copiosamente, nem hesitam, propõem-lhe de imediato cama, comida e roupa lavada em troca de pequenas tarefas domésticas e um jeitinho de quando em vez, que um homem também precisa disso e diz o povo que a homem pequenino, Deus compensa doutra forma, o que pode explicar mas não justifica a felicidade da rapariga nos tempos seguintes.

A chata da boa, era picuinhas e continuava a azucrinar o espelho que também gostava de alimentar a sua intrigazinha e vai conta-lhe que a Branquinha além de viva até beneficiava de avantajados, e ela num arrepio de ciúmes e maldade arruína com o nosso encanto e transforma-se num encortiçado de gente com o fim de enganar e acabar com a alegria da pobre.

Como não podia deixar de ser, voltamos ao pecado original e a traição é consumada sobre a forma de uma maçã envenenada e num momento em que Branca se entretinha em simultâneo com quatro dos generosos senhores, a bruxa interrompe, bate à pobre e apelando à gulodice impinge-lhe a fruta que no mesmo instante a deixa ali no chão como morta.

Agora mesmo depravados eram os anõezinhos que não querendo perder o entretêm, não enterraram a desgraçada e organizando-se num processo simples de rotação lá se iam orientando e de tal forma satisfeitos que a história acabou por transpirar e chegou aos ouvidos de um tal elemento da nobreza decadente que também quis ir molhar o bico e por uma boa maquia lá convenceu os anões a partilharem o pitéu. Coisa asquerosa.

Pois, mas acontece que a Branca não estava morta e como aquilo também não era vida e o príncipe cheirava tão mal da boca acabou por o bruxedo se desfazer ali na hora. No fim querem nos impingir um final feliz em que a linda menina casa com o príncipe que mata a bruxa má, mas qualquer atento repara que isto não faz qualquer sentido e a realidade é bem diferente, mas essa
história fica para outra altura que também tenho o direito ao meu suspensezinho…

video
Tourists-I Only want to be with you

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

3 negros corvos

Hoje sobre a estrada, uma larga de muitas faixas e apinhada de carros em direcção à grande cidade, vi passar a voar, 3 pássaros negros, indiferentes à azafama de ser manhã de segunda-feira, o dia da semana em que nós os seres modernos, agarrados ao volante, de olhos no relógio a tentar parar o tempo sentimos maior ansiedade doentia, bem balanceada, claro está, com os nossos ódios de estimação, esperanças legitimas ou de paixões a mulheres alheias. Poisaram sem pudor sobre um pinheiro.

Um pinheiro manso, por si só anacrónico naquele local, intercepção de muito alcatrão negro, mas não tanto como as penas que vestem as 3 aves que poisadas não querem saber de mim, nem de todos os outros que me seguem ou pré-seguem.

Não sou especialista nem poeta, mas consigo reconhecer os corvos e só me vêm à cabeça a palavra Raven, génio mistério escrito por Poe e cantado por Parsons e sinto o rodopio do crescer de uma força de raiva que alimenta a minha fome de querer pensar e sentir de forma diferente dos outros a presença dos bichos.

Depois engoli em seco e tal menino comportado e conhecedor das regras básicas de boa condução lá segui em direcção à portagem, sem deixar de espreitar pelo canto do espelho para os corvos, que pareciam sorrir enquanto pensavam que lá vai mais um ser estranho sem asas, sem encanto nem negro mistério.

Ref. de Outrem: The Raven por Edgar Allan Poe: http://www.ojai.net/swanson/theraven.htm

video
Alan Parsons Project-The Raven Tales of Mistery and Imagination

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Porque hoje é Sexta...

...Amanhã será sábado, véspera do dia santo semanal dos judeus convertidos noutra coisa, pelo tal messias que me deu o nome e que terá andado por ai há 2000 anos.

Estive há dias em Jerusalém , que segundo reza a história era por onde mais andava e aquilo visto de perto é um fenómeno deveras interessante, assim a modos como uma boa feijoada em que quando se olha de cima têm aquele aspecto brilhante e mexido e que embora nos pareça atraente e gostoso, sabemos que pode ser indigesto e nos vai causar gases.

Será porventura o lugar no mundo onde mais divergências se conseguem encontrar no menor espaço físico e de tempo, só quem nunca andou pela cidade velha, pode acreditar que alguma vez será possível inventar uma solução que traga algum tipo de entendimento para a região.

Agora o que têm de bom, é para alguém como eu, um sacana pouco crente e que um dia se lixa por mangar da fé alheia, levamos ali num bocadinho com a Mesquita Al-aqsa, o Muro das Lamentações e o Santo Sepulcro o que vos garanto é dose para nos fazer abanar um nadinha.

Mas enfim lá fui e lá voltei inabalável nas minhas descrenças, desconfianças e teorias de conspiração, na volta passei por Roma e não não fui ao Vaticano ver o Papa, apenas as escadarias da Praça de Espanha que isso sim para arrasar com a minha fé, não tinham longas pernas a descer por elas, apenas outros tantos tontos como eu...

video
Siouxsie and The Banshees-Israel

sexta-feira, 2 de maio de 2008

O meu primeiro Post

O meu primeiro Post deveria ser algo de memorável, talvez um rasgo literário de génio, com as palavras a provocarem sensações profundas, não necessariamente gástricas, nos leitores ou então, embora de forma atabalhoada, uma dissertação sobre um problema importante do Mundo, por favor não me peçam exemplos, puxem um bocadinho pela imaginação e vão ver que facilmente vão descobrir pelo menos um problemazito que merecesse a pena falar.

Na volta faltou a pachorra e assim vai ficar esta coisa vazia e pobre, ilustração do ser bom Português que quando está a chegar ao fim do prazo, não se acagassa e desenrasca-se.

Pois já agora e para referência futura, não sendo totalmente analfabeto, sou meio disléxico, então no que toca a acentos, pontuação e aqueles erros ortográficos dos cábulas é de bradar aos céus... Por isso e a partir de agora a língua Portuguesa não têm que ficar ofendida é mesmo Burriquiçe aqui do Blogger.

video
The B-52's-Party out of bounds