quarta-feira, 15 de abril de 2009

O Privilégio do Disparate - Primeiro sintoma crónico



Inicio hoje uma série de crónicas regulares, debaixo da chancela de um formato a que dei o nome do privilégio do disparate, que é meu fui eu que inventei ainda andava a raspar a cara a ver se os pelinhos se espalhavam prós lados e é um conceito de poder dizer de forma escrita aquilo que me dá na real gana sem ter que ter sentido, moral ou arriscar-me a ser candidato distrital à apanha da azeitona em Amares ou ao Nobel da literatura.

Enquanto andava por ai a passear na hora do patrão, coitado está convencido que ando a fazer um estudo online para calcular o desvio padrão entre a inteligência do Bush filho e o ruminar de uma vaca leiteira açoriana, o que até a mim me impressiona e porque razão alguém encomenda estas coisas e vai na volta vou ter a um blog que me pareceu simpático e dou com isto:

http://silviaf.blogspot.com/2009/04/arte-de-bem-escrevido.html

Apeteceu-me comentar em detrimento de preencher uma folha de Excel cheia de macros e porque a minha amiga Ana gostou tanto a ponto de me deixar assim vaidoso que até pensava que aquilo era a sério e enchi-me de coragem e pedi namoro à menina que estava na paragem do autocarro com a mama meio à mostra e levei um sopapo no queijo que ainda me dói e já foi à dois dias e já tou farto de pôr gelo e daquela pomada meio rosa pastoso que cheira mal e atrai as moscas, decidi transcrever a resposta que dei, sei que é feio plagiar, sobretudo quando o fazemos a nós próprios mas eu também já desisti de ir para o céu.

“Neste momento há muitos milhares de blogs em Portugal e o numero não pára de crescer todos os dias e há de tudo, muito poucos ambicionam algo mais do que se divertir, desopilar, fugir da realidade, sentir-se menos sós, foder o juízo ao mundo, etc.
Movimentos para a correcção na escrita blogueira parecem-me redutores e até tendencialmente snobs.
Eu, que não percebo nada disto e nem sei o que é escrever bem e até avisei no meu primeiro post que era meio disléxico e que a Língua Portuguesa não tinha que se ofender comigo, mas sei o que é um bom prato de bacalhau, semeio virgulas, não faço puto ideia para que é que serve o ponto e virgula, abuso do tabaco e das reticencias e gosto de metaforar e das comparações floreadas com muitos torneados e palavras esotéricas que escolho na wikipidia e what the fuck nem sei se escrevo bem e bem do ponto de vista de quem? Do Saramago? Do Camões ou do Pessoa? Do teu? Aqui na blogocoisa tens a vantagem de que é à borla se não gostas não compraste, não precisas de pôr na estante só para encher… Olha três pontinhos que giro, dá uma ar moderno e coiso.”
Alice Russell-Crazy

Nota: Não tive qualquer duvida de que o post da Silviaf era humorístico e desde já agradeço não me ter dado explicitamente autorização para a referir, talvez porque não o pedi, senão não teria tido coragem de o fazer que eu com as mulheres derreto-me todo.

12 comentários:

Ana GG disse...

Clap, clap, clap.

Fizeste muito bem em publicar o teu comentário que transcreve muitíssimo bem a opinião e postura de muitos de nós. Quando o li pensei precisamente "este comentário dava um bom post".

Ainda bem que contribuí para te insuflar o ego...pena o sopapo que levaste da menina.

Venham de lá mais crónicas daquilo que te dá na gana.

forteifeio disse...

Pois é, bom texto mais uma vez.
Tenho que ter cuidado no que vou escrever. Mas gostei imenso e isto de escrever, afinal tem muitas regras que lamentavelmente não vou cumprir. Temos pena!

Silvia F. disse...

Há uns posts atrás escrevi o seguinte:
"Fala-se imenso em erros ortográficos. Posso até entender a crítica aos erros recorrentes e intoleráveis de indivíduos que têm como profissão o ensino e o jornalismo. Agora aquele pessoal que por ver um mísero erro ortográfico fica logo com os pintelhos em pé, pergunto: “Oi sou humana e tu?”."

Isto para dizer o quê? Tudo aquilo que escrevi são "incorrecções" literárias que eu próprio faço.
Sem querer me repetir, a lingua portuguesa não é a minha lingua materna, a escrita nunca foi o meu forte, faço erros patéticos mas adoro brincar com as minhas próprias asneiradas.

O que falta ao povo português é sentido de humor, o que é pena. Na blogosfera, idem.
Levam tudo muito a sério nem se dignam ler entre as entrelinhas ou pelo menos perceber o que se escreve, atiram comentários para "matar".

Felizmente alguns percebem caso contrário se tivesse que justificar cada post meu ou ter que levar com a falta de senso de humor de alguns fechava o acesso aos comentários.

Não, não levei nada a mal e não tenho razões para te insultar, se ainda fosse para dar-te porrada...

LBJ disse...

Silvia,

Peço desculpa se me expliquei mal eu em momento algum pensei que não estavas a ser irónica, tanto que me pareceu interessante dar continuidade à tua ironia
Quando coloquei
“Nota: Não tive qualquer duvida de que o post da Silviaf era humorístico”

Estava a ser muito sincero, por favor o mundo está cheio de mal entendidos e se sem querer
te causei duvidas de tristeza com o meu comentário uma vez mais o meu pedido de desculpas.

Já agora quando disses que a escrita não é o teu forte, não estás a ser sincera contigo mesma, gosto muito da forma como escreves.

Silvia F. disse...

Não tens nada que pedir desculpa, na verdade tenho reparado que as pessoas levam demasiado à letra o que digo... e pronto o teu comentário despertou aquilo que queria dizer há muito.
Se pedires desculpa tenho que o pedir também e sinceramente não me apetecia muito :))
Não fiquei triste ou chateada, aliás prefiro mil vezes que me chamem atenção do que dizer "gostei do teu blog, vou voltar". Pelo menos tenho a certeza de quem me chama de palerma leu o que escrevi :)

Olha só por isso o teu link vai ficar no meu blog e sempre que possível vou passar a chat... ahum comentar-te.

Princesa (des)encantada disse...

Ahahah! A blogocoisa é mesmo, de essência, um espaço de liberdade. Que se lixe a gramática e caso para para dizer: belo disparate seu privilegiado! :)

Pronúncia disse...

Só tenho duas coisinhas para dizer:

1º- O post da Silvia F. está excelente e com um humor fantástico.
Se a língua materna dela não é o Português, olha que não se nota absolutamente nada. Antes pelo contrário...

2º O teu comentário e o teu post estão à altura do texto da Silvia F.
Diria mais... está muito bem escrevido! ;)

LBJ disse...

Ana,

Pois o queijinho continua doer:(

As crónicas do Privilégio são para continuar pois:)

LBJ disse...

Forteifeio,

Ainda bem que gostaste:)

Regras, temos de mais na vida, as que respeitamos e as que contrariamente nos fazem respeitar, aqui neste buraco há muito poucas e no escrever nem pensar, bora lá desbundar:)

LBJ disse...

Sílvia,

Pedidos de desculpas são escritos em pedra e sinceros e não, não tens que me pedir a mim porque fico muito contente que tenhas percebido que não havia maldade mas apenas respeito nas minhas palavras.

És muito bem vinda e dificilmente me irei chatear com os teus comentários.

LBJ disse...

Princesa,

Assim derreto-me e vou outra vez a correr ver se reencontro a menina da paragem do autocarro:)

LBJ disse...

Pronúncia,

1º Sim Senhora.

2º Grande Senhora.