terça-feira, 10 de março de 2009

Nojo



In DN Online - 09-03-10

“Brasil. Católico assumido, o Presidente da República insurge-se contra a pena de excomunhão decretada pelo arcebispo de Olinda e Recife contra a mãe da criança de nove anos que fez um aborto após ter sido violada pelo padrasto. Os médicos também foram alvo da pena. O Vaticano apoia o prelado.
Tem nove anos e desde os seis que era violada pelo padrasto, mas o caso só foi conhecido quando ela se queixou de dores de barriga. No hospital no interior de Pernambuco descobriu que estava grávida de gémeos. Os médicos não hesitaram em optar pelo aborto, face ao risco de vida que corria. Mas esse aborto acabou por gerar polémica, com o arcebispo de Olinda e Recife a excomungar todos os envolvidos, incluindo a mãe da menina, e o Presidente Lula da Silva a criticar a Igreja Católica. Um facto raro por parte do Chefe do Estado brasileiro, que é católico assumido e sempre fez questão de manter as melhores relações institucionais com a Igreja. O caso está a desencadear uma tempestade política e já chegou a ter ecos no Vaticano…
O pai da menina, evangélico, tinha-se mostrado contra. O padrasto, que se encontra detido e arrisca agora uma pena de 15 anos de prisão, não está abrangido: "Ele cometeu um crime enorme, mas não está incluído na excomunhão. Foi um pecado gravíssimo, mas, mais grave do que isso, sabe o que é? O aborto, eliminar uma vida inocente", enfatizou o arcebispo, que comparou o procedimento ao Holocausto…
…O Vaticano saiu em defesa do prelado. "É um caso triste, mas o verdadeiro problema é que os gémeos concebidos eram duas pessoas inocentes, que tinham o direito a viver e que não podiam ser mortas", afirmou o cardeal Giovanni Battista Re, prefeito da congregação para os bispos e presidente da Comissão Pontifícia para a América Latina. "É preciso defender sempre a vida. O ataque contra a Igreja brasileira é injustificado", acrescentou numa entrevista ao jornal italiano La Stampa, na qual defendia que a excomunhão contra a mãe e os médicos era uma pena "justa".”


Sou Agnóstico e tenho, com a idade, vindo a aumentar a minha tolerância em quem acredita mais que eu, a respeitar a possibilidade de serem inclusive mais felizes e completos pela sua crença. Para isso muito contribuiu ter estado já por várias vezes em Jerusalém, num local que é um ponto de equilíbrio de fé e importância tanto para o Judaísmo, como para o Cristianismo ou para o Islamismo.
Uma noticia como esta que agora me chegou ao conhecimento, desperta em mim um sentimento de repulsa e tendo sido baptizado na fé católica, por uma opção que não tive, perguntar-me como me posso lavar dessa aspersão que hoje apenas me causa revolta e dá nojo.

Rolling Stones-Sympathy For The Devil

7 comentários:

afectado disse...

Tinha ouvido falar deste caso há uns dias e fiquei chocado com tudo o que li. Realmente incompreensível!!!


PS: Grande música!

mf disse...

Há casos, de facto, que são incompreensíveis, mesmo para quem, como eu, faz parte da Igreja Católica por opção. Sobretudo porque estes casos não são tratados da mesma forma em todos os lados. Embora por norma seja contra o aborto, acho que foi um erro a excomunhão, mas isso sou eu.

O que tenho aprendido nesta minha crença (e isto é uma verdade que considero incontestável) é que entre Deus e a Igreja dos homens há uma coisa que faz toda a diferença: a consciência de cada um. E se ela diz, depois de discernir (de forma lúcida e profunda), que um determinado acto não é pecado, então não é. Venha quem vier, digam o que disserem, é no coração (=consciência) de cada um que reside a verdade. Nisto eu creio.
E por isso acho que aquela mãe e aqueles médicos devem sentir-se sossegados. Mesmo que aparentemente a Igreja os tenha excluído, estou em crer que Deus não o terá feito... E, no fim de contas, isso é que conta...

Manuel de Jesus disse...

Afectado,

Incompreensível no mínimo.

Relativamente à musica, sabes que é um dos meus objectivos neste blog tentar divulgar alguma musica que considero boa, fico contente de teres gostado:)

Manuel de Jesus disse...

MF,

Se olhares os detalhes da noticia, percebes que estamos a falar de pessoas de um extracto social muito baixo a viver no sertão Brasileiro, pessoas a quem a pertença a uma Igreja mais que a Deus terá provavelmente um significado muito profundo. Repara que o pai da criança se opôs ao procedimento, mesmo sabendo que a criança iria morrer e que deverá ter sido até ele quem terá denunciado a situação à igreja. O Arcebispo sabia que a excomunhão era algo de muito importante para os visados e do mal que lhes poderia causar, senão não o teria feito.
Entendo que para ti, embora tendo crescido ligada à igreja como escuteira, por teres tido acesso a educação e cultura e sobretudo porque és inteligente é fácil de separar o que é a tua crença em Deus e a tua crença naqueles que o dizem representar, aliás esse têm sido o grande problema das religiões, a utilização da palavra de Deus em nome de interesses que não podem de estar de forma alguma ligadas a um Deus que se adora como ser superior, misericordioso e omnipresente.
Eu entendo que hoje as religiões ligadas ao Cristianismo e ao Judaísmo, pelo posicionamento sócio económico e pela geografia dos seus seguidores têm responsabilidades acrescidas no que está ligado à tolerância e ao respeito quer dos seus crentes , quer dos das outras confissões. Este tipo de atitudes, por parte da hierarquia da igreja apenas reforça o poder dos ortodoxos, que considero o cancro das religiões e afasta ainda mais quem já duvida.

mf disse...

Tens toda a razão quanto à possibilidade de o estrato social das pessoas envolvidas ter implicações na forma como olham para a situação.
E concordo plenamente contigo quanto à ortodoxia. Qualquer tipo de fundamentalismo é, para mim, nefasto. Nesta religião, como noutra qualquer.

Pronúncia disse...

Já conhecia a notícia e revoltou-me profundamente.

Qual é a moral do bispo para excomungar os médicos, a mãe e uma criança de 9 anos que estava em risco de vida.

Em contrapartida, não excomungou o verdadeiro criminoso, o padrasto que abusou da menina.

Nojo, revolta, indignação, são sentimentos leves para exprimir o que me vai cá dentro.

A música para além de fantástica, foi muito bem escolhida para ilustrar o texto.

Manuel de Jesus disse...

Pronuncia,

Moral? A moral da inquisição! Com estes dois últimos Papas às vezes penso que a igreja está a voltar, de uma forma muito discreta a esses tempos...

Grato pelo elogio musical:)