terça-feira, 4 de janeiro de 2011

O Privilégio do Disparate – A caminho do fim do Mundo – Semana 01 – (Não esquecer de meter lenços de papel no bolso)


Parece que o Mundo vai acabar em 2012 e mesmo ainda não sabendo se o Mundo que acaba é o meu ou o teu, o de alguns ou o de todos nós e se isso é realmente uma coisa ruim ou apenas eutanásia e aquela coisa das baratas se safarem ou não, eu acho que isto de ir a caminho do fim do Mundo merece um registo de jornada.

Não tendo nada melhor para falar nestes primeiro dias do final do Mundo, queria falar do “Zé Maria” e da Ensitel e do Salazar e de eleições e de outras coisas importantes que me irei lembrando à medida que for escrevendo. Ora começando pelo Zé Maria, constou-me que voltou a haver outro Big Brother e quando digo constou-me não é de modo algum caganeirice ou mania de que sou melhor que os outros e não vejo essas coisas, mas, na realidade nesta altura da vida não tenho televisão. Também me constou que nesta nova incarnação do Big Brother reinventaram o “Zé Maria” e com tal sucesso que parece que até ganhou o “concurso”.

Para o Português, o “Zé Maria” era o arquétipo daquele que ninguém quer ser mas que todos acham muito bem que alguém seja e que merece por não conseguir ser outra coisa, toda a nossa simpatia e apoio e ajuda na forma de chamadas de valor acrescentado para que deixe de ser aquilo e passe a ser a outra coisa que nós até já gostaríamos de ser. Podia agora fazer a analogia do patinho feio e do cisne mas eu não gosto dos bichos, acho que fazem muita porcaria e prefiro falar antes do complexo do coitadinho.

Debaixo do complexo do coitadinho cabe toda a vontade, voluntariedade ou viscosidade que o nosso povo tem para com causas e o que nós gostamos de causas e de vestir as dores do outro não tem paralelo. Nenhum outro povo tão incapaz de agir em causa própria é tão bom em se aglutinar em causa alheia como o bom povo Português e se para ajudar na capacidade de mobilização para a festa ,o outro, for um pobre coitado ou como quem diz um coitadinho, então saímos lá de trás e levamos tudo pela frente. Por isso não me espanta que se tenha recuperado o coitadinho do “Zé Maria”, transfigurado num outro António qualquer, pastor que já guardou gado e outras bichinhas e se tenha feito repetir a alegre história para ficar a ver se a história triste depois não se repete.

Mudando completamente de assunto ou talvez não e sendo eu um crente que acha que mandar a gaja gira e abonada da recepção lidar com cobradores persistentes é mais eficaz que os assustar com a malta do armazém, temos o tal caso da Ensitel que veio demonstrar que as redes sociais são um meio poderosíssimo de chamar o Povo às causas e de como gerir crises de cabeça no ar e mão no peito pode ser tão desastroso como tentar pedir a uma manada de bois em correria e a deitar baba pela boca para pararem lá com jeitinho. Uma vez mais temos o povo que se inflamou por combustão espontânea em defesa de alguém que poucos realmente conheciam contra os maus que todos pareciam realmente conhecer. Não pondo em causa a legitimidade da causa, acho graça que tantos estivessem dispostos a atear fogo à fogueira que iria consumir a bruxa má do Oeste sem reparar que havia muita gente agarrada àquela pira, mas a malta queria lá saber das centenas que ficariam sem emprego desde que fosse feita justiça. O que vale é que no final lá prevaleceu o bom senso de que persistir na burrice já era asneirice e que a parte ofendida era afinal realmente digna de ser defendida e não queria sangue mas apenas paz..

Com isto tudo já não me sobra espaço para falar do Salazar ou de eleições ou de me lembrar de outras coisas importantes mas fica prometido que o tentarei fazer para a semana isto se o meu mundo ou o vosso no entretanto não decidir acabar.


EZ SPECIAL - Sei Que Sabes Que Sim

2 comentários:

Storyteller disse...

Sabes que o Mundo acabará a 21 de Maio deste ano, não sabes?

Beijos

P.S. - Que música mais lamechas! Começas bem o ano, começas...
:P

continuando assim... disse...

Feliz Ano ! com tudo aquilo que mais desejares

beijo
até sempre...por aqui...

teresa