segunda-feira, 29 de junho de 2009

Midwinter daymare – Entering Puck



Há dias de inverno em que a luz do dia se ofusca de cinzentos, filtrada por negras nuvens que se escurecem e teimam em não se querer chorar em lágrimas de chuva. Nesses dias as criaturas que vivem na noite abandonam os buracos e saem das florestas sem recear os medos ou os homens.

De tempos a tempos as fadas e outros seres de mistério e poder, sem se saber porquê, apenas movidos pela vontade própria decidem revelar-se às arvores ou a quem lhes apetece, aos bichos rasteiros, animais colectores ou predadores e até aos seres que se intitulam de humanos.
Fizeram-no ao bardo poeta, num momento de generosidade, sobre a forma de sonho numa noite quente, sem brisas. Mostraram-se ao poeta em formas belas inspirando arte escrita sobre a forma de comédia.
Fizeram-no ao Veneziano adoptado, num momento de encanto, sobre a forma de fábula céltica em tempo de guerra. Mostraram-se ao contador em formas de enigma inspirando arte pintada sobre a forma de lenda.
Fizeram-no ao mestre dos sonhos, num momento de trapaça, sobre a forma de personagens secundários numa história principal. Mostraram-se ao sonhador em formas de negro inspirando arte gráfica sobre a forma de fantasia.
Mas as fadas e os faunos e os duendes e os trolls e as banshees podem assumir a forma que quiserem e é raro que se mostrem como criaturas de sonho e é raro que nos inspirem bons sentimentos, preferem mais ser personagens de pesadelo, elementos manipuladores que nos puxam os cordelinhos das emoções só por que lhes caímos em desgraça e nem poderemos entender os seus objectivos pelo menos com nossos padrões de compreensão.

Foi num dia deste inverno em que me escureci da cor do céu, que o vi pela primeira vez, um ser pequeno, a dar-me pela cintura com pernas de bode e corpo de macaco, de rosto sorridente, que mudava de face por entre o feio e o belo, pequenos chifres e orelhas pequenas e pontiagudas. Esfreguei os olhos na dúvida da aparição e ele não desapareceu e disse-me que era Puck o artista maldito, servo de confiança do rei Oberon e amante da rainha Titania e agora meu conselheiro para os dias difíceis que me iriam visitar, para não me preocupar que ia ser o meu melhor amigo. Tentei sacudir-me do sonho, mas era dia e não dormia, era finalmente a loucura a conquistar o seu direito de me possuir.

“Eu sou tanto o produto da tua imaginação, como tu és da minha, podes aceitar-me como um incomodo, uma comichão num sitio que não podes coçar em público ou uma dor que começa na cabeça e vai acabar no recto ou podemos ser parceiros, amigos, companheiros de folia e bebida e comida e festa, eu peço pouco e dou muito, dizem que dou sorte a quem me aceita e dizem que posso ser mau, maldoso, trapaceiro, enganador, traiçoeiro mas na realidade esta é a minha natureza, estarei aqui para ti, eu peço pouco e dou muito, agora apenas quero um pedacinho do teu espaço, ambiciono voltar a interagir com os homens, quero contar as minhas histórias, quero partilhar os teus leitores, quero que me libertes, que me venhas buscar a Dublin, serei o lúpulo no fundo de uma pint de Guiness, sabes que o lúpulo tem sexo e na Guiness o lúpulo é sempre feminino, eu posso ter muitas formas e nem sempre me apraz ser homem”

Acabei por ceder à minha loucura e fui a Dublin, queria libertar-me da minha imaginação delirante e bebi muitas Guiness e não o vi, nem o senti e regressei convencido que estava são, mas estava errado e agora este espaço deixou de ser só meu e sei que não voltará a ser o mesmo, o meu pesadelo acordado começa ou termina hoje…

The Pogues With The Dubliners-Irish Rover

15 comentários:

Puck disse...

Acho que te tinha ficado bem, teres-me dado as boas vindas e uma apresentação mais formal, mas eu relevo, aqui estou em vénia: Sou Puck o sonhado que habita nas florestas Célticas, antes escondido e agora colhido sobre a forma de lúpulo e fermentado na melhor cerveja do mundo, segundo a minha modesta opinião, por aqui estarei…

Vani disse...

Bolas, e eu que não gosto de cerveja... ;)

Fada disse...

:D

Inspirado! :D

Mas.......

Nem todas as fadas são personagens de pesadelo...... :s

;)

Beijitos :)

PS - Também não gosto de cerveja, a não ser em bolo de cerveja, frango de cerveja e coelho de cerveja! :)

Fada disse...

E agora fui cuscar o Puck...

:D :D :D :D :D :D

Beijinho ao Puck! :)

AnaGG disse...

Bem...chegaste cá com uma estaleca!
O Puck está a dar-te energias redobradas.

Estás bem LBJ?

Pronúncia disse...

Já fui espreitar o Puck...

Gosto da Irlanda, de Guiness, de duendes e de todos os seres imaginários (ou não) que há naquela ilha!

Tens a certeza que queres conviver com o Puck?!...

mf disse...

Mmmmm... Não sei se gosto desse tal Puck. Cá para mim anda-se a fazer ao bife! Tu vê lá se ele não te tem aí uns poderes mágicos quaisquer que te transformam num grão de cevada ou assim!

;)

Princesa (des)Encantada disse...

Sejas bem regressado. Também não sei gosto muito desse Puck... Tem ar de gremlin. Cá para mim, foi um bocadinho de cerveja a mais... :S

Luz disse...

Não vamos crucificar o pobre antes de ocorrer alguma maldade que lhe possa ser atribuída sem prejuízo de justiça...

Pois eu gosto bastante de cerveja, especialmente acompanhada de caracóis e pão torradinho ;)

O post está delirantemente fantástico... (e a minha banshee, LBJ? Apanhou um vôo tardio? Palpita-me que seja ela que ultimamente me anda a atormentar as noites com insónias recorrentes!...)

:)

forteifeio disse...

É sempre dificil comentar um texto teu carregado de metáforas ilusões e alucinações de um artista. Fazes-me lembrar alguns pintores que têm um misticismo tão forte que dificilmente consigo entrar e perceber o que berdadeiramente querem

Abraço

O bife não está esquecido

forteifeio disse...

verdadeiramente

Puck disse...

Vani e Fada,

A guiness é o sangue de Dublin é mais do que uma cerveja...

Pronúncia, mf e Princesa,

Não gostam de mim porquê? Porque sou pequenino e peludo? Porque sou a inconsciência deste blog?

Luz,

Como me recebeste bem, tens direito a um desejo...

Fada disse...

Puck, eu sei disso sobre a Guiness... Mas não gosto de cervejas, apenas. :)

Eu tratei-te e recebi-te bem, não tive direito a desejo porquê?? Ohhhh... :(

E não, não sou nenhuma daquelas fadas que conheces, eu sou "a" Fada dos Bosques. Inconfundível... ;)

Beijitos, Puck e LBJ!

Vani disse...

Oh pah, não deixa de ser cerveja, pois não? Uma vez cerveja, para sempre cerveja...ainda se fosse um bom dum rosé... :D

Jane Doe disse...

Puck também quero um desejo!!!

Posso pedir?

Já agora apresento-me: Eu sou a Jane Doe, uma que passa a vida a dizer parvoíces e a gozar, enfim pareço uma espécie de duende mau.

Não sei porquê mas gostei de ti logo assim que o LBJ começou a falar de ti.

Vai-se lá saber porquê!

(Dada a graxa, vá, o meu desejo!)