quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Diário de um louco impoluto – Dia 11


Quis tirar um dia só para mim. Telefonei a dizer-lhes que não, que riscassem um daqueles dias que ainda me deviam de um ano destes passados, aqueles que acabo por me esquecer e ninguém faz por me lembrar. Meti-me no carro e procurei uma praia que por ser meio da semana ainda deveria ter areia disponível por entre corpos que se deitam e corpos que se movem e corpos que jogam jogos de bolas que voam pelo ar e chocam com outros corpos entre risos e outros protestos. Despi a roupa e simulando pudor ocultei o enfiar dos calções por trás da toalha que estendi de seguida sobre o areal depois de afastar com o pé duas ou três beatas de cigarros já ressequidas.

O mar estava calmo sem ondas coberto de reflexos de luz que pareciam nadar sem destino. Tirei da mochila um creme que iria proteger-me a pele e espalhei-o generosamente pelo corpo que alcançava e fiquei a ambicionar outras mãos mais suaves que me tocassem noutros lugares mais profundos. Sentei-me e franzi os olhos reduzindo o horizonte a tentar esconder o brilho do Sol, observei em redor, pequenas ilhas de gente, em cada uma história que se podia imaginar pela forma como se dispunham os corpos, pela forma como se olham, pela forma como se tocam ou pela forma como se ignoram.

Ali do meu lado um casal jovem, talvez ainda adolescentes, ele deitado de barriga para baixo disfarça a cobiça com que a olha, as curvas expostas ao dourar lento do Sol, os peitos espetados em desafio e um sorriso nos lábios discreto e poderoso, sem as ouvir adivinho as palavras desajeitadas do rapaz, adivinho a descrição de feitos inconsequentes e a ambição de um futuro de aventuras onde ela teria o papel principal da heroína, adivinho palavras que fazem promessas que não se podem quebrar e ela é hoje a sua musa podendo ser amanhã a sua glória. Ali mais abaixo dois homens de ar meio perdido, predadores sem dentes e bico arqueado, devoram as mulheres que passam ruminando comentários entre si como machos primários, são símbolos incompreendidos de virilidade ou fontes ignoradas de prazer, reis bastardos a quem roubaram um reino mas que ali estão prontos e aptos para a sua reconquista. Acolá uma família com filhos encontra motivos fáceis para gritar, gritam entre si, gritam para se ouvirem, gritam para expulsar frustrações e desgastes, gritam para ignorar uma falta de coragem não assumida ou simplesmente a falta de uma saída. Mais abaixo vejo dois corpos que se confundem e que me confundem não distingo na mistura das carnes o princípio de um e o fim do outro, ali não há palavras, ali não há necessidade de haver palavras. Aqui quase ao lado uma mulher só foge do mundo para dentro de um livro de capa elegante com cores de paixão. Ainda mais abaixo dois idosos molham os pés a pensar noutros tempos, aqueles em que a praia era quase só para eles e não havia esta confusão e as pessoas eram bem-educadas que se cumprimentavam e toda a gente se conhecia pelo nome.

Fui mergulhar nas águas, nadei e afastei-me da areia até me sentir de novo apenas só, nadei até as ilhas de gente serem apenas pontos indistintos, sem histórias para imaginar, naquela imensidão de mar reavaliei o meu presente e reafirmei o meu futuro e inventei-me sentado naquela praia completamente deserta olhando a areia que me escorre por entre os dedos, percebendo que cada grão é um cristal poderoso que por muito ínfimo que seja reflecte a luz e faz a praia ser dourada e que todos são diferentes e que esta praia dourada é a fronteira entre dois mundos, um que me afasta e outro que me flui e senti a atracção de me deixar levar pela maré que me podia arrastar para longe mas essa não é a minha natureza e nadei de regresso a mim.

Tenho na mala do carro uma camisa por lavar com dois dias de suor, amanhã irei resolver esse assunto…


Bruce Springsteen & Sting - The River

27 comentários:

Storyteller disse...

«Well don't you think it's time
To swim away from the safety of this beaches
Trust the tides, they know wich way to flow
And don't you long to flow so far»
- Tim Booth & Angelo Badalamenti

:)

Gata2000 disse...

A poderosa atracção de ser levado para longe pela maré. Quem nunca a sentiu, que atire a primeira pedra!

:)

Bongop disse...

Bolas LBJ... isso é que foi um dia de praia!
:D

Pensaste em tantas coisas que nem descansaste. Para a próxima faz assim: esvazia a cabeça, esquece-te do mundo e tenta sentir apenas os raios de Sol e o murmurar das ondas.
Isso é descanso!
:)

rosebud disse...

Tem a maré cheia esse condão, o atrevimento de um convite,quase aceite.
E sobre reflexos repousam as decisões.
Como habitualmente, regressaremos,uma vez mais,ao inexorável aroma da lavandaria.

Euza disse...

Não consigo te ler sem, no imginario, sublinhar algumas passagens (como faço com meus liros de papel). Hoje ressalto:
"fiquei a ambicionar outras mãos mais suaves que me tocassem noutros lugares mais profundos"
"as curvas expostas ao dourar lento do Sol, os peitos espetados em desafio e um sorriso nos lábios discreto e poderoso"
"reis bastardos a quem roubaram um reino mas que ali estão prontos e aptos para a sua reconquista"
Putz... tem mais, muito mais!
Vc é poeta da prosa! E eu sua fã!
Beijo!!!

forteifeio disse...

lindo. Deixas-me sem palavras. E a música é fabulosa bem escolhida.

Forte Abraço

catwoman disse...

Texto lindo, como seria de esperar, transborda sensualidade, na maré, na areia, nos corpos dourados pelo sol, uma verdadeira poesia em prosa.
Beijo.

Fátima disse...

Como sabe bem nadar, não? eu sinto como se limpasse a alma!

É interessante como temos tendência a imaginar as histórias de vida que estão por detrás de cada rosto, termos a capacidade de descodificar os gestos e imaginar que tipo de personalidade terá determinada pessoa... mas para conseguir descansar mesmo o melhor é fechar os olhos e esvaziar a mente, não pensar em absolutamente nada... silêncio total...

Bjs

Fairy disse...

Texto mesmo lindo, fantástico. Parabéns :)

Inconstante disse...

gosto do facto de qualquer pessoa, independente do sexo, idade ou qq outra discriminação se poder colocar no papel principal das tuas histórias

bjs

Pronúncia disse...

Sabes que também faço isso... olhar para desconhecidos e imaginar a sua história de vida!

Texto fantástico, LBJ! Mas isso já é habitual... ;)

O Magnifico Gino disse...

A natação tem vários estilos, e mesmo apreciando a natação tradicional (em água), sou fã e praticante assidua da "outra" natação.

Belissimo texto, parabéns.

I.D.Pena disse...

Estive a ler, e depois a reler e reparei que continuas sem ter nada que temer(pelo menos na escrita) acho que conseguiste ser tão verdadeiro que começo a achar que te conheço de algum lado, mesmo esse lado seja lugar algum, até porque blogoesfera, não tem lados né ?

:)
Beijos

LBJ disse...

Storyteller,

Grande canção e estou a fugir ao conteúdo :))

Sem quereres acabaste de escolher a banda sonora do dia 14 ou 15 :)

Beijos

LBJ disse...

Gata,

Apetece, sobretudo quando nos envolve em suavidade e conforto :)

Beijo

LBJ disse...

Bongop,

Estou farto de procurar na cabeça o botão de dump mas não o consigo encontrar :)

Abraço

LBJ disse...

Rosebud,

Têm a maré esse condão, não sei se cheia se vazia :)

Beijos

LBJ disse...

Euza,

Gosto que me sublinhes, fazes-me perceber onde fui melhor :)

Beijos Poetiza prosáica

LBJ disse...

Forte,

Obrigado :)

Abraço Forte

LBJ disse...

Catwoman,

Doces palavras são as tuas :)

Beijos

LBJ disse...

Fátima,

Eu descobri a natação ou movimentar-me dentro de água há um ano e recuperei uma década de vida :)

Silêncio total numa praia acho que só no inverno :)

Beijos

LBJ disse...

Fairy,

Obrigado :)

Beijinhos

LBJ disse...

Inconstante,

:) Reparaste em algo que me esforço muito por conseguir :) Acho que nunca ninguém o tinha reparado antes :) Já agora não encontras também nomes nos meus textos ;)

Beijos

LBJ disse...

Pronúncia,

Pois eu sei que somos muito parecidos, embora tenha a absoluta convicção de que tu és infinitamente mais bonita :P

Bêjos

LBJ disse...

OMG,

Bem vinda e espero que voltes mais vezes...

Como o algodão não engana vou assumir desde já que ou és uma Mulher ou um travesti daqueles que nos fazem pensar seriamente na coisa ;)

Eu também gosto muito de natação independente dos estilos e das posições como se nada, com os treinos continuados desenvolvi um grande fôlego, mas isso ninguém acredita mas eu não me importo :)

Obrigado :)

Beijos

LBJ disse...

I.D. Pena,

Conhecemo-nos todos os dias mais um pouquinho :)

Beijos

Fada disse...

"senti a atracção de me deixar levar pela maré que me podia arrastar para longe"

Tantas vezes que sinto isso... :)

E tantas histórias que se lêem nas areias... Até nas areias duma praia vazia de gente! :)

Beijitos