terça-feira, 22 de setembro de 2009

Diário de um louco impoluto – Dia 13


Apetecia-me apenas estar deitado sem motivos de barriga para cima à espera que hoje fosse amanhã. Apetecia-me não ter que estar aqui nem ali nem em lado absolutamente nenhum. Não tenho ainda a coragem de saltar dias, de dobrar o tempo de acordo com os meus apetites e matar de vez a necessidade de satisfazer as necessidades que já não me satisfazem.

Fui convidado para esperar no gabinete que é amplo e aberto à luz por muitas janelas, penso que existem dois tipos de gente que se quer mostrar importante, aquelas que nos fazem esperar em salas de sofás escolhidos com mau gosto e completos por uma mesinha baixa coberta de revistas que nos desafiam a inteligência e os outros que nos convidam a entrar no seu antro de poder. Estou de pé em frente a uma mesa em que todos os papéis estão meticulosamente ordenados e em que dois telefones não param de acender e apagar luzes e em que um conjunto de fotografias me mostra uma família sorridente e em que penso que a razão porque estão ali expostas é para que eu as veja e as inveje e que não é por acaso que as fotos estão viradas para mim e não para quem as devia amar.

Atrás um conjunto de prateleiras expõe troféus de muitas conquistas e feitos e algumas bandeiras e placas gravadas com datas e um aquário iluminado por uma luz fraca o suficiente para que se vejam os peixes de muitos tipos e tamanhos que nadam de um lado para o outro e de cima para baixo. Ponho-me a pensar se aqueles peixes têm a noção de quão limitada é a amplitude do seu mundo e o egoísmo de quem o limita. Este aquário será apenas para quem o tem um meio de sentir o seu poder sobre os peixes ou um meio de aliviar pressões pela observância da monotonia dos seus movimentos. Agora um deles avermelhado de cauda em forma de vela olha para mim de frente e abre e fecha a boca como se me perguntasse se deste lado também me reciclam o ar por bombas eléctricas ou se a temperatura que me cerca é mantida constante ou se me alimentam meticulosamente sempre à mesma hora através de um mecanismo de rodinhas e furinhos que se encadeiam.

Naquela troca de olhares entre seres confinados aos seus mundos de que lado estará o verdadeiro aquário? Quem observa quem? Os peixes são felizes porque estão livres de nadar no seu infinito finito, sem razões para se preocuparem com a qualidade da sua vida que é hoje a mesma que foi ontem e que salvo alguma falha técnica será a mesma amanhã. O peixe não pára de me olhar, sem piscar os olhos, imóvel junto ao vidro que nos separa e eu tenho vontade de mergulhar naquele seu espaço limitado de preocupações e partilhar a sua liberdade restrita. Gostaria que aquelas janelas se abrissem para um mar imenso para que os pudesse soltar num gesto revelador de inconformismo e de quebra de protocolos de racionalidade e assim assumir a loucura que anseio assumir perante quem me mantém confinado a um aquário que não me aquece nem me recicla o ar nem me alimenta nem me deixa nadar sem perceber as limitações do meu espaço.

Alguém entra e me cumprimenta e me intimida a sentar e começamos a conversar e eu dou por mim a falar de que tenho vontade de abrir janelas e voar para outros destinos ou nadar para direcções desconhecidas e sinto o incómodo do meu interlocutor que não percebe porque assobio agora a velha canção que o meu avô assobiava quando estava feliz, nem percebe porque me levanto e vou dar de comer aos peixes numa hora que não seria a hora deles comerem, nem percebe porque me rio por os ver agitados de volta dos farelos e nem percebe porque razão deixei de perceber as paredes de vidro que me rodeavam.


U2 -11 O'Clock Tick Tock

27 comentários:

Princesa (des)Encantada disse...

Fabuloso!!! Simplesmente, não tenho mais palavras. Vale o esforço, if you know what I mean...
:)

13 disse...

Estes textos "rectilíneos", com pouca pontuação ainda me vão tirar o fôlego mental um dia destes :) É sem dúvida (para além da qualidade da escrita) o ponto forte, a leitura ininterrupta.
Bem sei que, tal como não páras para penar porque assobias ou porque alimentas os peixes fora de horas, não revês os textos e debitas palavras incansavel e incontrolavelmente.

Agora um aparte. Não é que haja nem esteja a fazer qualquer paralelo, mas acabei de ler 'O Livro do Desassossego', o que me fez voltar novamente à tal questão de escreveres algo algures com maior projecção, de forma a poderes mostrar aquilo que claramente tão bem sabes fazer. Espero que não desperdices o que tens. Escrever correctamente é algo que muitos sabem e podem fazer. Escrever desta forma já não há tantos assim. Diria mesmo que são raros os que o fazem.

Quanto ao texto em si, que dizer? Os outros que comentem :)

Abraço.

Fátima disse...

Pronto, agora fiquei incomodada por ter peixes no aquário! :( estou com vontade de os libertar no rio, mas será que eles vão sobreviver sozinhos?! já estão acostumados a receber comida sem ter de procurá-la...

Entendi o que disseste mas já que te sentes tão preso assim não tens possibilidades de mudar para algo melhor ou diferente? pois deve ser muito complicado encarar uma realidade que não é aquela que imaginamos um dia ter.

Bjs

Ana GG disse...

Menino Jesus
Desta vez superaste-te!
Li de um fôlego, sorvi...a bem dizer.

Faço minhas as palavras da Princesa.

FABULOSO!
E olha que estou a ser muito sincera.

Storyteller disse...

Palavras para quê? Ok, quatro sílabas:
FE
NO
ME
NAL
O resto? O resto já tu sabes...

Gata2000 disse...

Breath taking...

AnaMar (pseudónimo) disse...

Fantabulástico texto!

(Adoro aquários, mas sou demasiado preguiçosa para ter um. (mesmo que pequenino:-))

Abreijos

Pronúncia disse...

Sem dúvida que é um dos teus textos que mais me cativou... LINDO!

E a música que escolheste para banda sonora não podia ser melhor!

Parabéns, menino Jesus! ;)

Bêjos

Francisco Vieira disse...

Boa noite. Depois passa lá pela barra lateral do tasco

rosebud disse...

À medida da leitura apercebo-me,tenuamente,quase em sussurro,dos Jogos de Água de Ravel

"Não tenho ainda a coragem de saltar dias, de dobrar o tempo "

Ana Camarra disse...

Vizinho

Eu já cá tinha estado, não tinha tido tempo de comentar, sinto-me confortavél aqui no teu sitio. :)
Identifico-me com o que escreves.

Beijos

Fairy disse...

Todos estamos condicionados, os peixes à maneira deles e nós a nossa maneira :)
Muito bom, com a qualidade habitual ;)

Beijinhos*

P@t disse...

Boa Tarde LBJ...dá para ficar viciada no teu blogue :o)

LBJ disse...

Princesa,

Obrigado :)

I Know what you mean... :)

Beijos

LBJ disse...

13,

Essa comparação deixou-me desassossegado :)

Sabes que em parte, já desperdicei muito qualquer tipo de talento que possa ter, mas enfim...

Abraço

LBJ disse...

Fátima,

Deixa lá os peixes, alimenta-os quando te apetece, fá-los felizes :)

Olha isto é uma história, como em tudo há sempre algumas coisas que vamos procurar na nossa vivência, mas não te esqueças de que é uma história :)

Beijos

LBJ disse...

Ana,

Sempre a grande Mulher do Sul que me apoia, eu sei que estás a ser sincera, aliás eu sei que és sincera com tudo na vida :)

Bêjos

LBJ disse...

Storyteller,

Obri
ga
do

O resto vou sabendo :)

Beijos

LBJ disse...

Gata,

Please breed and enjoy...

Kisses

LBJ disse...

AnaMar,

Eu também gosto de aquários mas seria incapaz de o manter.

Obrigado.

Beijo

LBJ disse...

Pronúncia,

Às vezes ficamos surpreendidos com os resultados e com as reacções, fico contente de teres gostado.

Bêjos

LBJ disse...

Francisco,

Já te agradeci antes e volto a fazê-lo...

OBRIGADO.

Um Abraço

LBJ disse...

Rosebud,

Adoro o requinte dos teus comentários.

Esta série vai ter mais 3 textos e vai haver muitos sussurros ;)

Beijo

LBJ disse...

Ana Camarra,

Vizinha bem vinda, é sempre bom receber alguém que partilha connosco o nosso meio ambiente urbano :)

Beijos

LBJ disse...

Fairy,

Muitas vezes o aperto dos nossos condicionalísmos só depende de nós.

Beijos

LBJ disse...

P@T,

Bem vinda, volta mais vezes e espero que este vício seja saudável. se é que há vícios saudáveis :D

Beijos

Fada disse...

"Apetecia-me não ter que estar aqui nem ali nem em lado absolutamente nenhum."
Também eu...

"de que tenho vontade de abrir janelas e voar para outros destinos ou nadar para direcções desconhecidas"
Também eu!

Mania de seres parecido comigo!!! :p

:)

I'm back to the woods! :)

Beijitos