sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Diário de um louco impoluto – Dia 14


Eu cheguei e ela chegou, somos folhas soltas caídas de uma árvore vulgar que se cruzam ao sabor do vento e que terminam casualmente juntas num pedaço de passeio. Olhamo-nos sem palavras e faço sentir que as desculpas são inúteis e sugiro que nos sentemos naquela mesa donde se pode ver o rio. Ambos estamos em silêncio a ver um par de gaivotas que pousam na margem e se movem no chão da mesma forma desajeitada com que agora me sei vazio de palavras.

Sinto-me um adolescente num primeiro encontro sonhando com a perspectiva de um beijo e ela percebe, sei que as mulheres tem uma enorme facilidade de perceberem estas coisas e ela puxa-me para fora do meu casulo com uma conversa casual sobre qualquer tema pouco importante e depois começamos a contar histórias da vida que já vivemos e do que nos importa e a procurar estabelecer pontes entre as nossas causalidades e a remexer nas memórias no entretanto em que não cruzo e descruzo os dedos e sorrio como um tolo.

Conta-me que sonhara um dia em ser alguém e que sabia o que queria da vida mas que foi empurrada por necessidade para trás de um balcão e depois de outro e outro até terminar rodeada de roupa alheia, conta-me que um dia engravidou depois de uma única noite em que se entregou a um homem que já não se encontrava a seu lado quando o dia amanheceu, conta-me que não teve coragem de tomar a decisão que todos lhe diziam ser a mais acertada e que os meses passaram e que uma criança nasceu e que hoje o seu pequenino grande amor está longe a crescer com familiares que nunca lhe perdoaram os pecados e conta-me que os sonhos se foram desvanecendo nas brumas do tempo e que agora já não lhe doem ao acordar nem lhe trazem mais as lágrimas para fora dos olhos nem que lhe importam realmente as razões que a prendem acordada ancorada ao tecto do quarto enquanto as horas passam e ouve a música melancólica do vizinho solitário que mora ao lado e os ruídos da dança de sexo do jovem casal mesmo por cima do seu quarto.

Conta-me que gosta de ser só porque se vai redimindo dos erros que não pode espelhar em mais ninguém senão em si própria e que a vida podia ser pior porque lhe permite sobreviver com algumas sobras de dinheiro que envia todos os meses para o filho que um dia terá uma vida diferente da sua e será o motivo do seu orgulho e acabará com o vazio que sente na alma. Conta-me que não percebe porque razão quis estar aqui comigo e porque razão me conta o que me conta e que gosta do meu sorriso e que se sentiu atraída pelo meu ar contraditório de quem anda perdido na certeza de um caminho.

Conto-lhe que sou egoísta por ter tanto do que não teve e que ainda assim não me satisfaz e do que gostava de ser diferente e das minhas ambições e do que me preparo para fazer e acabo a pedir-lhe desculpas. Peço-lhe desculpas por ela e não por mim e fico preso no seu olhar que parece não me perceber e que me manda parar de pedir desculpas e que me diz sem muitas palavras que gostava de ter a minha força ou a minha coragem ou partilhar um pouco de ambas. Estende-me a mão que escondo dentro da minha e ainda não tocámos nos pratos que se arrefecem nem nos copos que transparecem cheios de um líquido rubro de vinho escolhido ao acaso. Antecipo um beijo que irá fazer de amanhã um dia diferente e de nós a possibilidade de ser soma de partes solitárias que se encontram num rabisco disperso e equacionado na convergência das nossas vidas.


Elvis Costello-She

26 comentários:

Storyteller disse...

Mais um episódio forte da saga do Louco mais são que conheço. O terceiro parágrafo pôs-me à beirinha das lágrimas. E olha que eu não sou fortemente impressionável... sou uma durona!

Continua, por favor. Sim?
:)

Storyteller disse...

Esqueci-me de dizer uma coisa:
a música é simplesmente fabulosa!
Faz parte da banda sonora da minha vida.

Fátima disse...

Pelos vistos parece que estão a entender-se... quem sabe se não é com ela que está o futuro?!

Gostei da frase que termina o post... magnífico é a palavra que descreve aquilo que escreves.

Fica bem

Pax disse...

Uma imagem pode valer mais que mil palavras mas tu tens muitos, muitos, muitos milhares de palavras nestes textos! Excelentes imagens! :)

catwoman disse...

Cheguei mais tarde que a maioria dos teus leitores, talvez por isso, não compreeenda tão bem esta estória dentro da estória, esta exprime a tua realidade ou é apenas mais um espelho dos desejos do louco? De qualquer modo está linda. Bjs. Bom fim-de-semana.

Bongop disse...

Vai LBJ! Será que estás apaixonado?
:)
Boa escrita. Tou a gostar desse diário "impoluto".

Ana Camarra disse...

A vida como ela é tal e qual!
Com música a combinar!

então um beijo vizinho, desconfio que de vez em quand miramos as mesmas gaivotas

mf disse...

Um dos posts mais bonitos que já escreveste...

Francisco Vieira disse...

Menino Jesus, parece-me que te estàs a apaixonar e não te preocupes, porque o amor é belo e a vida é curta. Bom fim-de-semana

forteifeio disse...

Está espectacular, existem muitas linhas por baixo destas linhas passadas e futuras ....


Forte Abraço

Pronúncia disse...

O Louco é cada vez mais fascinante ;)

Dylan disse...

LBJ,

Claro que não visito todos aqueles locais mencionados no meu blog. Era preciso ter bastante dinheiro e disponibilidade.
Quando era solteiro e não tinha filhos tinha mais tempo. Agora é mais complicado...

Abraço.

LBJ disse...

Storyteller,

Tu durona? Não acredito... Camuflada talvez :D

Pelo menos até ao dia 16 está garantido :)

Nem me passava pela cabeça que esta música não fizesse parte da OST da tua vida :)

Beijos

LBJ disse...

Fátima,

O futuro ainda terá que ser escrito :)

Um beijo

LBJ disse...

Pax,

Obrigado pelas tuas palavras e pela imagem que nelas desenhas :)

Um Beijo

LBJ disse...

Catwoman,

Poderás sempre ler eu vou facilitar-te em brev, aguarda pelo próximo Domingo ;)

Obrigado.

Beijos

LBJ disse...

Bongop,

Ainda bem que gostas.

Um Abraço

LBJ disse...

Ana Camarra,

Desconfio até que as conhecemos pelo nome :)

Um Beijo vizinha

LBJ disse...

Hedgie,

Bondade tua :)

Um Beijo

LBJ disse...

Francisco,

A vida é curtissima e o que não fazemos dela é desperdício :)

Um Abraço

LBJ disse...

Forte,

Obrigado, há muitas mais linhas a escrever que se cruzam :)

Abraço forte

LBJ disse...

Pronúncia,

Espero que gostes dos próximos :)

Beijos

LBJ disse...

Dylan,

Tenho a certeza que ainda os visitarás :)

Abraço

rosebud disse...

A espectativa do quadro.

"...sugiro que nos sentemos naquela mesa donde se pode ver o rio."
Pincelada larga pontua o escorrer do rio,pano de fundo do esvoaçar.


"...copos que transparecem cheios de um líquido rubro de vinho ."

Em primeiro plano um pormenor enquadra duas figuras ,em contorno,ainda,de lápis.Pincelada curta,alizarina através do vidro.

LBJ disse...

Rose,

Gosto mesmo da forma como me lês...

Beijos

Fada disse...

:)

Adorei esse vosso encontro!!!
Adorei portares-te como um garoto nervoso!

:D

Beijitos