segunda-feira, 25 de maio de 2009

O Privilégio do Disparate - Sexto sentido inverso da teoria teológica de uma evolução assistida ou em auto aniquilação por mérito próprio



Hoje queria falar de Deus. Sei que neste momento, metade dos leitores vão parar de ler porque acham que vou ser desrespeitoso para com as suas crenças, desde já clarifico que sou agnóstico o que quer dizer que estou por tudo e sou agnóstico multi-partidário o que significa que se me aparecer à frente um Deus com cara de bicho ou com muitos braços ou gordo que nem Buda e me mostrar por A mais B que é Deus eu aceito, não quer dizer que não refile por ter aparecido sem se anunciar primeiro, um SMS não tinha custado nada, Revelo-me segunda-feira faz-me uma sopinha e compra fruta e iogurtes naturais, porque eu mesmo sendo agnóstico gosto de receber quem me visita de forma digna, mas como parece que Deus é omnipresente não sei se não ficaria desconfortável com os pés de fora no colchão insuflável que tenho lá para um canto e que ainda por cima têm um furo que ainda não consegui descobrir, mas se calhar podia aproveitar a presença de Deus para me indicar o furo e isso seria sem duvida uma prova de que Deus é Deus, porque já dei voltas e voltas e não consigo encontrar o maldito furo, mas duvido que Deus me visitasse para me ajudar com problemas de buracos e percas de ar, ele sabe que sendo eu agnóstico e aceitando a possibilidade da sua existência o considero em divida para comigo por algumas sacanices que me tem feito e por tanto ou me aparecia para se me explicar que raio de sentido de humor retorcido é aquele que pratica, que enfim podem-me acusar de muita coisa mas sou incapaz de não aceitar uma piada de gosto duvidoso se bem explicada ou então para me recompensar por qualquer coisa que terei feito de bom sem ter dado por isso, mas duvido e é por tantas duvidas que sou agnóstico, se o milagre da criação não pode ser explicado por teorias evolucionárias ou seja: uma coisa desta dimensão e assombro têm que ter a mão de um Deus, como posso eu Ser duvidoso aceitar que alguém com a capacidade de poder criar coisa tão perfeita como a criação possa por si só existir de forma espontânea e não ser a criação de um Deus maior, um Deus de Deus e por ai fora podíamos evolucionar num ciclo continuo de divindades com apetências criativas e vontade de brincar com plasticina genética.

Mas aceitando que Deus fez o homem e pondo de parte a questão da semelhança, porque sendo agnóstico aceito a possibilidade da existência de Deus sobre outras formas, não me parece que tenha sido um momento de grande inspiração, mas equilibrou as coisas e criou as cerejas, que na minha modesta opinião são o verdadeiro fruto proibido, já com certeza repararam bem na forma de uma cereja, tirando o pauzinho que não faz lá falta nenhuma, aquelas linhas suaves de fruto sensual e apetecível são divinas e todos sabemos que o vermelho puro é a cor do pecado e não me lembro de nenhum vermelho mais puro do que o de uma cereja, bem talvez tirando o de um Ferrari mas esse sabemos que não é obra de Deus, que mesmo sendo agnóstico sei que não percebe nada de mecânica e nunca personificaria um Italiano porque de uma maneira geral falam demais ou são gays ou as duas coisas e há quem diga até que cheiram mal em sítios que é melhor nem trazer à baila, mas se Deus criou as cerejas que para mim simbolizam o pecado e eu não consigo imaginar o pecado sem a existência da mulher que nalgumas ideologias terá sido obra do Diabo que até posso aceitar como heterónimo ou nome antiartístico de Deus para performances alternativas , seria uma vez mais uma visão puramente machista que se diga que o homem é obra de Deus e a mulher do Diabo , até porque me parece uma obra muito melhor acabada e com um grande potencial de crescimento assim lhe dêem espaço e motivação e recompensa e eu gosto de imaginar que não será pecado pensar que de entre as mulheres bendito o fruto e a cavalo dado não se olha o dente.

Depois há aquela questão da reencarnação, que sendo agnóstico admito como possibilidade e não pensem que sou assim tão tarado que a ter voto de escolha na próxima reencarnação quisesse voltar como elemento vibratório longitudinal ou instrumento de ginecologista, uma daquelas pinças que tem um nome esquisito e que não vale a pena aqui tentar reproduzir, mas sim como um elemento construtivo para o equilíbrio da criação como penitencia de ter pertencido a esta raça malvada, talvez como gaivota que é um bicho que aprecio embora condenado a comer merda nos esgotos, mas que tem um papel importante na manutenção do ecossistema ou como uma planta de Aloé Vera que todos sabemos o bem que faz a quase tudo, verdadeira dádiva de Deus. milagre da natureza e que soa tão bem na articulação oral que algumas vezes no momento de êxtase me apetece gritar Aloé, Aloé Vera, mas receio ser incompreendido e desvio a conversa para um: Oh meu Deus, o que me faz pensar bem nas coisas e resumindo toda esta minha dissertação, como posso eu duvidar da existência de Deus quando o invoco num momento importante da minha vida e que para além da Aloé Vera ainda temos as cerejas e as mulheres, esquecendo que poderão ter sido obra do diabo e as gaivotas embora essas possam não ser um bom exemplo de perfeição porque comem merda e me deixam a pensar se Deus gosta mesmo de gaivotas.
Banda do Casaco-A Cavalo Dado

23 comentários:

Who Am I disse...

A tristeza de sábado, descamba na falta de fé de segunda.

mf disse...

Big, big mess.

Podias ter escolhido esta canção:
http://www.youtube.com/watch?v=xZEO1Lug25s

;)

Pronúncia disse...

LBJ:

Tantas dúvidas!

Há coisas que não se questionam... ou se aceitam ou não se aceitam.
Isto a bem da nossa sanidade mental :)

Princesa (des)Encantada disse...

Pois o texto tem conceitos interessantes e é exactamente como a conversa sobre Deus e religião: redondo... :)

Fada disse...

:D

"num ciclo continuo de divindades com apetências criativas e vontade de brincar com plasticina genética"

Fantástica, esta frase... E assim como nós brincamos com ratinhos, sabemos lá se não brincam conosco??
Já li umas coisas precisamente sobre isso, do facto de existir "gente" que se alimenta da neergia que nós usamos nas nossas relações, que se alimentam da nossa raiva e do nosso amor, dependenedo da "entidade" em causa.
E faz-me lembrar aquela história do Índio e dos lobos - o lobo bom e o lobo mau - e qual deles venceria a luta, conforme o que preferíamos alimentar.

"já com certeza repararam bem na forma de uma cereja, tirando o pauzinho que não faz lá falta nenhuma,"

Ah! Faz sim! Fazem-se chás de pés de cereja, para combater as infecções urinárias (não sei se apenas nas senhoras e não sei se apenas as resultantes de sexo... :p )

Ontem comi umas cerejas deliciosas! E a mim, aquele fruto sempre me pareceu certa parte masculina... :p

Beijitos e tem um dia feliz! :)

LBJ disse...

WAI,

Eu sei que o texto é denso mas não encontras em lado nenhum alguma referência a fé, muito menos à falta dela, eu acredito e muito na fé, que muitas pessoas assumem como fervor religioso, a fé é uma energia de vontade muito poderosa e capaz essa sim de fazer milagres.

Não gosto da palavra descambar e sabes que não quis descambar na fé.

Beijo

LBJ disse...

Hedgie,

What mess...? :)

Pois podia, fica para a próxima :)

Beijo

LBJ disse...

Pronúncia,

Eu aceito que posso aceitar, ter dúvidas é bom, faz-nos mexer e questionar e penso que não deve de haver barreiras, isto a bem da nossa sanidadde mental, mas sabes que eu isso... :)

Beijo

LBJ disse...

Princesa,

Redondo, pois como as cerejas, o texto tinha algumas pistas sim mas quase ninguém lhe pegou.

Beijo

LBJ disse...

Fada,

Pegaste numa ponta sim, havendo um Deus até que ponto não fazemos parte de uma experiência cientifica ou somos um brinquedo educativo.

Já sabia que dos pauzinhos de cereja se fazia chá, mas tu percebeste o sentido ;)

Beijo

Jane Doe disse...

Isto precisa de dois turnos pois mesmo sem ter morrido estamos na encarnação do Saramago. Não no estilo, eu nunca o li, sim, sou uma vergonha, mas quantos de vocês leram o princepezinho, eu duvido que algum, só mesmo aqueles que sabem desenhar chapéus e dizer que parecem elefantes dentro de gibóias, o que eu quero dizer é que ele faz uma escrita assim, sem fôlego, por falar de fôlego estou a ficar sem ar e eu até era capaz de ter jeito para tirar o ar a alguém.

Já volto para o segundo turno, e sim, estou a imitar-te porque eu sou um macaco social, imito todas as bananas que vejo e faço outros macacos escorregar nas minhas, para depois gravar e meter no youtube.

Jane Doe disse...

Errata, porque eu escrevo sem pensar, aliás escrevo com os pés, as mãos estão a fazer tricot, e é por isso que só sai terra e poeira porque o meu caminho de casa é no meio do monte e todos os dias vou descalça:

Onde se lê estamos na encarnação do
Saramago leia-se estamos na presença da encarnação do Saramago, é que dito assim parece que estou a dizer que estou na era de peixes o que até é verdade e numa era de Saramago, os pontos de exclamação, e os de interrogação e sabe-se lá mais o quê desapareceriam dos teclados do mundo, menos os pontos de interrogação dos espanhóis que eu sei que o Saramago não sabia o que fazer com eles.

Ana GG disse...

É caso para dizer que os Deuses devem estar loucos.

Eu também aceito um Deus com cara de bicho, muitos braços, ou gordo que nem Buda. Sou muito pouco exigente com a forma como se apresenta, desde que não me faça muitas sacanices.

Ia falar das cerejas, mas perdi-me nas palavras...

Um beijo

Treze disse...

LBJ, permite-me:
Porra! Estes "Privilégio do Disparate" são simplesmente fabulosos. Agrada-me o aparente delílrio verbal.

Quanto às mulheres e aos morangos (porque não gosto de cereja, vá-se lá saber porquê), Amén! :)

forteifeio disse...

É com cada privilégio do diaparate,que se fica a pensar se aloé vera, será uma planta ou alguma italiana mais afoita que se converteu à tua expressão

LBJ disse...

Jane,

Tu fazes-me sombra por turnos e no Saramago não me revejo nem na ausência de virgulas nem na exigência de fôlego a quem me lê. Sobre o principezinho, recordo-me de outras inocências de juventude e da arte que ambicionava do desenho apenas sei sim desenhar chapéus que parecem elefantes dentro de jibóias e eu sentido inverso sou um macaco anti-social que incomodo por apenas estar, sem coragem de me filmar nem para alimentar o U2B de onde tanto roubo inspiração :)

LBJ disse...

Os Deuses devem estar loucos, satíricos entretidos a pensar na próxima sacanice que me irão fazer.

Ias falar das palavras mas perdestes-te pelas cerejas, mas esta é a época delas :)

Um Beijo

LBJ disse...

Treze,

Que estes meus delírios sejam sempre o teu privilégio.

Quanto ao resto Ámen.

LBJ disse...

Forteifeio,

Deixa lá as Italianas, mesmo as que se possam chamar Aloé Vera, para que as queremos quando temos as Mulheres mais belas do mundo :)

Storyteller disse...

Apesar de ter sido educada num colégio de freiras e de os meus filhos andarem nesse mesmo colégio, também me considero agnóstica. Tenho demasiadas dúvidas, demasiadas perguntas, demasiadas interrogações. Não tenho uma Fé cega nem dogmática. Questiono tudo. Ao ponto de uma das minhas freiras predilectas me dizer que eu sou praticamente herética!
Afirmação que me dá um gozo enorme, como deves imaginar...

Vani disse...

Chiçaaaaaaaaaaa! uf uf uf uf! Já posso respirar???? Primeiro: finalmente encontrei quem faça frases mais compridas que as minhas, ahahahahaha (esta é pra quem critica frases longas, toma!), Segundo, porra que tu escreves e escreves com E grande. Desculpa não ter reparado nisso mais cedo ;-).

LBJ disse...

Storyteller

Questionar é o primeiro passo para evoluir e até para vir a acreditar.

Herético é uma palavra que neste caso será mal aplicada:)

LBJ disse...

Vani,

Frases longas, gosto muito, permitem estender a mensagem, gosto de cansar quem me lê :)

Obrigado pelo elogio e não tens nada que pedir desculpas :)